Maio Vermelho: conscientização da hepatite

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

maio vermelho - conscientização da hepatite | Doutor Agora blog

Promover a conscientização da hepatite é questão de responsabilidade social e saúde pública, afinal, essa doença pode causar complicações como cirrose hepática e câncer de fígado.

As hepatites virais estão separadas em 5 tipos, sendo eles: A, B, C, D e E. Onde os três primeiros são mais comuns. 

Só em 2015, mais de 1,35 milhão de pessoas morreram devido às hepatites virais ao redor do mundo, ao passo que 37.773 foram diagnosticadas no Brasil apenas no ano passado.

Esses números são preocupantes, já que todos os tipos da doença possuem tratamento, assim como são facilmente prevenidas e diagnosticadas. 

Foi assim que o Maio Vermelho foi criado, um mês inteiro para a conscientização da hepatite.

A campanha visa promover informações, alertar sobre as formas de infecção e falar também sobre os sintomas e outros dados importantes.

Entenda mais sobre os tipos de hepatite neste artigo e atente-se sobre as formas de infecção, prevenção, tratamento e diagnóstico dessa doença!

Conscientização da hepatite: compreenda mais sobre essa doença que ataca o fígado

As hepatites, independentemente dos seus tipos, geram uma inflamação no fígado.

Podendo ser agudas ou crônicas (sem cura), são separadas entre as virais (A, B, C, D, e E) e de outras causas, como infecções no fígado, abuso de álcool e medicamentos, doença autoimune, esteatose grave e outros casos específicos.

Como no Brasil a maioria dos casos é devido às formas virais da doença, a campanha Maio Vermelho, que visa prezar pela conscientização de hepatite, tem como foco alertar sobre esses tipos.

Hepatite A

A hepatite A é a forma mais branda da doença e em 90% dos casos tem cura sem necessidade de medicamentos.

É transmitida por ingestão de alimentos ou água contaminados por coliformes fecais, assim 

como pode ser passada de pessoa para pessoa. 

A melhor forma de prevenir-se é lavar as mãos e alimentos corretamente antes de comer e tomar a vacina.

Os sintomas assemelham-se ao de uma gripe forte e é possível que a pele e olhos do paciente fiquem amarelados devido à icterícia.

Não existe um tratamento específico para essa forma da doença, mas descansar bastante, ingerir água e evitar álcool, alimentos gordurosos ou medicamentos fortes que sobrecarregam o fígado é importante.

Hepatite B

A hepatite B é mais grave que a anterior e pode ser transmitida por sangue e secreções do corpo, sendo considerada uma DST, doença sexualmente transmissível. 

Além disso, o compartilhamento de objetos e agulhas também pode transmitir o vírus.

Nem sempre apresenta sintomas, o que é perigoso, pois a doença pode se tornar crônica sem que o acometido perceba.

Quando surgem sintomas, eles envolvem:

  • vômitos, 
  • icterícia, 
  • enjoo,
  • cansaço extremo.

As melhores formas de prevenção dessa doença estão diretamente ligados com a importância da conscientização da hepatite, já que são através do uso de camisinha nas relações sexuais e a vacinação contra a doença. 

O tratamento depende do grau de acometimento e da saúde do paciente.

Já o diagnóstico se dá por exame de sangue e biópsia do fígado, quando necessário

Hepatite C

A hepatite C é a mais letal e, infelizmente, é uma realidade no Brasil. 

Pode ser transmitida de forma sexual, mas a contaminação mais comum é pelo contato direto de sangue, geralmente devido ao compartilhamento de seringas contaminadas.

O maior risco do tipo C da doença é o fato de que em muitos pacientes os sintomas surgem após 20 a 30 anos da contaminação e na forma crônica. Além disso, geralmente é no grau mais forte, em forma de cirrose hepática ou câncer de fígado.

Apesar de ainda não haver vacina para a hepatite C, a prevenção é muito simples e se dá pelo uso de preservativos durante a relação e evitar o compartilhamento de objetos sujos de sangue.

Nos casos iniciais da doença, ou seja, até 6 meses depois da contaminação, o tratamento tem como foco extirpar o vírus da corrente sanguínea.

Já nos casos graves é indicado transplante de fígado e tratamentos para salvar o órgão.

Como é uma doença que não apresenta sintomas inicialmente em muitos pacientes, o ideal é fazer testes da doença anualmente, durante um check-up ou quando tiver suspeita de que foi infectado por um parceiro, por exemplo.

Hepatite D

Quando falamos sobre conscientização da hepatite, o tipo D sempre é tema de conversa.

Isso porque esse tipo ocorre apenas em pacientes que foram contaminados pelo vírus B da doença, mas é mais grave que a Hepatite B, já que sua origem se dá por um RNA defeituoso, que cria o agente delta.

Seus sintomas estão atrelados a piora no caso da B, assim como infecção aguda em pacientes crônicos.

As formas de tratamento e prevenção são semelhantes aos da hepatite B.

Hepatite E

Com forma de transmissão semelhante ao tipo A, ou seja, por meio de ingestão de alimentos contaminados, se diferencia pelo fato de que raramente apresenta sintomas, mesmo em crianças.

Não possui um tratamento específico e, muitas vezes, o paciente nem sabe que chegou a ficar doente.

A maneira de prevenção mais eficaz é higienizar as mãos e alimentos antes de comer. Essa doença é rara assim como o tipo D.

Agora que você já sabe sobre a campanha Maio Vermelho e a importância da conscientização da hepatite, que tal marcar a sua consulta no Doutor Agora e deixar o seu check up em dia?

Deixe sua mensagem

Assine a nossa newsletter