Os benefícios da amamentação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Os benefícios da amamentação | Doutor Agora

Nos últimos anos, houve um aumento na discussão e na divulgação dos benefícios da amamentação, o que incentivou mais mulheres a terem essa prática após o parto.

De acordo com os resultados preliminares do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil, realizado pelo Ministério Público, 45,7% das crianças menores de 6 meses recebem leite materno exclusivo.

Em 2006, último ano que conta com esse mesmo dado disponível, esse índice era de 37,1%. Já em 1996, apenas 23,9% das crianças menores de 6 meses eram alimentadas apenas com leite materno.

Esse dado mostra que apesar de ainda haver a necessidade de expandir a conscientização sobre esse tema, houve um grande avanço, que merece ser comemorado.

Continue lendo o nosso artigo e veja os principais benefícios da amamentação.

Quais são os benefícios da amamentação para a mãe e para o bebê?

Muitas pessoas pensam que os benefícios da amamentação se limitam aos bebês, mas esse é um pensamento equivocado. As mães também se favorecem dessa prática. Confira quais são as principais razões para apoiar e incentivar esse ato de amor.

Evita anemia

A hemorragia pós-parto é a principal causa de morte materna em países em desenvolvimento, afetando cerca de 2% das mulheres. Ela ocorre, normalmente, pela atonia uterina, condição caracterizada pela perda de capacidade do útero de contrair, o que o deixa maior do que deveria e aumenta as chances de haver sangramentos e, consequentemente, anemia.

Quando a mãe amamenta o seu filho, há a liberação de um hormônio chamado ocitocina, que atua nesse órgão e o auxilia a voltar para o seu tamanho normal, dessa forma, é possível evitar anemia e outras complicações.

Diminui a ansiedade

Um dos benefícios da amamentação que também merece destaque é a diminuição da ansiedade, tanto do bebê quanto da mãe. Uma prova disso é o aumento desse sentimento após os 6 meses, período em que a mulher, muitas vezes, interrompe o aleitamento para voltar ao trabalho.

Protege o bebê de doenças

A amamentação exclusiva até os 6 meses consegue proteger o bebê contra diversas doenças, como a síndrome da morta súbita e infecções gastrointestinais. Isso ocorre porque o leite materno se adapta para suprir as necessidades da criança. 

O primeiro leite, chamado de colostro, é caracterizado por uma alta quantia de proteínas e anticorpos que fortalecem o sistema imune. Após o sétimo dia depois do parto, há o leite de transição, que conta com mais carboidratos e lipídeos. Por fim, há o leite maduro, que nutre e auxilia o combate a diferentes patologias.

Fortalece o sistema imunológico

Como consequência dos altos índices de anticorpos, de proteínas e carboidratos, o sistema imunológico do bebê fica mais forte, possibilitando que ele cresça mais saudável. Também evita que ele pegue facilmente viroses, o que é comum nessa idade.

Protege a mãe contra doenças cardiovasculares

Uma pesquisa realizada na Universidade de Atenas descobriu que mulheres que amamentaram têm menos probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares. Quanto mais tempo as mães passaram alimentando seus filhos com leite materno, menor é o risco. 

O estudo mostrou que essas mulheres têm menos rigidez nas artérias, assim como uma quantidade menor de placas de gordura.

Diminui o sangramento no pós-parto

A diminuição do sangramento no pós-parto também é um dos benefícios da amamentação. No processo do útero voltar ao seu tamanho normal, há a remoção do sangue que estava revestindo esse órgão. Normalmente, esse processo leva de 3 a 6 semanas, quando não há complicações, como a hemorragia pós-parto.

Apesar de ser uma etapa normal, pode causar desconforto nas mulheres. Dessa forma, uma maneira de diminuir o sangramento é por meio da amamentação, que produz o já mencionado hormônio ocitocina, auxiliando na diminuição do útero.

Esses são apenas alguns dos muitos benefícios da amamentação, mas mostram a importância do aleitamento materno até, pelo menos, 6 meses. Compartilhe esse artigo com as suas amigas para que elas saibam mais sobre esse tema tão relevante para todas as mulheres.

E, se você quiser, continue lendo no nosso blog e conheça as vacinas recomendadas para as mulheres.

Deixe sua mensagem

Assine a nossa newsletter